Bom pra cachorro

 Marcelo Harger

                      

  Nunca tive animais. Sempre morei em apartamento. Acho que essa deve ser a razão. O fato é que nunca entendi direito a simbiose entre um cachorro e seu dono. O bichinho fica parecido com o dono e este, por sua vez, passa a considerar o animal como um membro da família.

                        Lembro da história de “um amigo”que ao fugir de dois pitbulls caiu e quebrou a mão. Quando o dono dos “animaizinhos” viu aquilo logo disse que não era preciso fugir. A Meg e o Tiquinho não mordiam. Enquanto isso o casal canino ficava olhando e rosnando. Pode uma coisa dessas? Desde quando Meg e Tiquinho são nomes de Pitbull. O fato é que o dono via dois bichinhos adoráveis e “meu amigo” via dois devoradores de homens.

                        Dono de cachorro é assim. Acha que a convivência com os seus “filhos” é adorável e sujeita os demais às mesmas “alegrias”. Quando mordem os outros é sempre pela primeira vez. Nunca tinham feito nada parecido antes. Quando latem pras visitas com caras ferozes dizem que estão dando oi, ou que fazem isso porque sentem medo. Acham uma graça quando os bichos vêm cheirar e lamber os outros. Não entendem como alguém pode não gostar de receber esse carinho.

                        Há quem não goste. Eu sou um deles. Nada tenho contra cachorros. São animais interessantes, desde que fiquem longe de mim. São bonitinhos quando vistos de bem longe. Longe mesmo.

                        Aliás, o mesmo vale para os animais em geral. Tenho o maior respeito por eles, mas não quero que vivam dentro da minha casa. Admiro profundamente o amor e carinho que certas pessoas dedicam aos bichinhos. Apenas constato que não consigo ter esse tipo de dedicação. Prefiro dedicar-me às pessoas.

                        Acho-as mais interessantes. Prefiro gastar o meu tempo livre com os seres humanos. Amo os seres humanos com as suas imperfeições. Certamente não possuem pelos demais um amor incondicional. Tampouco tratam a nossa chegada em algum lugar fosse um acontecimento digno de darem pulos. Fazem perguntas e criticam os nossos atos e essa é a grande magia.

                        Cada crítica que recebemos é uma oportunidade de perceber a beleza das diferenças entre os indivíduos. Ao saborear a complexidade das personalidades se constata que “bom pra cachorro” é estar com pessoas que nos permitem crescer.

 

Marcelo Harger

Advogado com pós-graduação em Processo Civil, mestrado e doutorado em Direito Público.Coordenador do Curso de Pós-Graduação em Direito Administrativo e Gestão Pública do Complexo de Ensino Superior de Santa Catarina - CESUSC. Professor em diversos cursos de graduação, pós-graduação e extensão universitária, além de autor de artigos científicos e livros da área jurídica.

Desenvolvimento por Mega Marketing de Experiência